Linha de cubas Horizon, de João Armentano para a Roca, é inspirada na arquitetura

Tempo de leitura: 6 minutos
St Mary Hospital (Wisconsin), foto de Todd Klassy

“Da colher à cidade”. A expressão popularizada pelo arquiteto italiano Ernesto Nathan Rogers no início dos anos 1950 sintetiza bem a amplitude do pensamento arquitetônico, que pode transitar entre as mais diversas escalas – dos pequenos objetos, passando pela esfera da casa até chegar àquela do território.

Pois a linha de cubas Horizon, que João Armentano assina para a Roca, é um indício claro de que o arquiteto paulista se identifica com essa filosofia. Neste caso, porém, a arquitetura assume papel ainda maior, para além da metodologia projetual: aqui, o universo arquitetônico foi o ponto de partida e referenciou todo o processo de desenvolvimento dos produtos. “Quis desenhar uma coleção que refletisse o universo da arquitetura, suas formas e espacialidades. Cheguei nos traços arquitetônicos, nos desenhos das sombras projetadas pelas geometrias, busquei as linhas e o vazio”, conta Armentano.

O resultado agradou não apenas ao público, mas também aos experts da área: dois modelos da linha Horizon foram reconhecidos no Red Dot Design Award e no iF Design Award, premiações que são referência absoluta no cenário mundial do design de produto. Impossível não se orgulhar ao ver o design brasileiro ganhar destaque internacional com essas duas chancelas tão respeitadas. Aqui vale também ressaltar a importância de as empresas investirem na criação nacional – felizmente, a consciência do nosso potencial criativo vem sendo cada vez mais reconhecida também pela grande indústria e a Roca é um bom exemplo dessa mentalidade: espanhola, apostou no design brasileiro e vem colhendo bons frutos (é o terceiro ano consecutivo que recebe o Red Dot com produtos “designed and made in Brazil”).

Da cidade à colher

“Approaching Shadow”, foto de Fan Ho

No caso da coleção Horizon, é bacana perceber como Armentano transpôs seu repertório arquitetônico e sua linguagem construtiva para os produtos, com um approach minimalista, de linhas retas e traços precisos. Nesse contexto, fazia sentido que as cubas fossem todas de sobrepor: é como se elas fossem os “edifícios” de uma cidade imaginária. “As cubas de sobrepor criam sombras por meio de seu volume”, ressaltou.

Imediatamente pensei em Le Corbusier (arquiteto franco-suíço que foi um dos grandes nomes da arquitetura moderna internacional) e uma de suas mais famosas citações. “Arquitetura é o jogo sábio, correto e magnífico dos volumes reunidos sob a luz”, escreveu ele em seu livro Por uma arquitetura, publicado pela primeira vez em 1923 – e ainda tão atual. Aqui essa definição se aplica perfeitamente…

Uma via de mão dupla

Sobre a beleza de se sair da zona de conforto: acho louvável quando o profissional não se acomoda com o prestígio já conquistado, mas, ao contrário, se empolga com a oportunidade de ter novas experiências. Foi o que aconteceu aqui: em sua primeira incursão no design de cubas cerâmicas, Armentano aproveitou cada chance de aprender sobre os processos específicos dessa área.

“A cerâmica é um material milenar e criar a linha Horizon com este material foi todo um novo olhar para mim. O processo com a Roca foi fluido e teve muitas trocas: fui algumas vezes na fábrica conhecer e discutir o processo produtivo com a equipe, para entender como a cerâmica funciona e como poderia inovar. Os resultados da engenharia produtiva, com a modelagem precisa, foram surpreendentes”, afirma, referindo-se à tecnologia Fineceramic® (que resulta em produtos 30% mais resistentes que os convencionais e permite bordas ultrafinas, com até 5 mm de espessura).

Se a experiência trouxe desafios a Armentano, o mesmo também vale para a equipe da Roca, como relata Francisco Cino, diretor industrial da empresa: “A coleção Horizon tem grande complexidade fabril, pois são linhas retas e planas, às vezes em grandes formatos (uma das cubas tem 1,20 m de comprimento). É possível atingir esse tipo de desenho com pedras esculpidas, porém a louça tem uma característica peculiar que dificulta – mas com a tecnologia Fineceramic® e a parte técnica da Roca Brasil, conseguimos. Além disso, o modelo Geometric exigiu o desenvolvimento de uma solução inovadora, em que a cuba é composta por duas peças cerâmicas que se sobrepõem, escondendo a válvula por completo”.

Os modelos premiados

Horizon Geometric

Traz linhas bem marcadas de maneira assimétrica permitindo uma combinação entre luzes e sombras. A saída de água foi feita de maneira discreta com apenas uma linha precisa para canalizar a água. Modelo premiado com o Red Dot Design Award.

Horizon Skyline 80

O desenho combina minimalismo e rigor geométrico. Além disso, a peça oferece uma superfície lisa com amplo espaço para armazenamento de itens pessoais. Modelo premiado com o Red Dot Design Award e o iF Design Award.

Como você já deve ter notado a essa altura, não foi à toa que a linha Horizon se destacou no Red Dot Design Award e no iF Design Award. Para se chegar a produtos inovadores, é preciso muito mais do que um lampejo criativo, mas uma colaboração em que designer e indústria estejam totalmente alinhados – quanto maior a sinergia, maior a chance de sucesso. Que assim seja, cada vez mais!

*CONTEÚDO PATROCINADO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.