Pesquisa e experimentação: dupla básica para o design inovador

Tempo de leitura: 3 minutos

“Ter ideias é fácil, não é um problema. A grande questão é saber em quais ideias você deve investir.” A fala veio de uma das mentes mais inquietas da cena do design internacional, Ron Arad (acima, à esq.), durante um talk online que assisti hoje de manhã entre ele, Patrizia Moroso e Damir Eskerica – diretora de arte e CEO da Moroso, respectivamente. O mote era o lançamento da More-So, uma nova divisão da empresa que surge para a “fortalecer a investigação e experimentação no design de mobiliário e, ao mesmo tempo, criar condições para aumentar a eficiência da produção industrial, tornando-a mais ágil e sustentável”.

Pode parecer complicado, mas na verdade não é: a Moroso sempre investiu em pesquisa e desenvolvimento de móveis ousados, mas quando se chegava à conclusão de que algum desses produtos não era industrialmente viável, o projeto era abandonado e restava apenas o protótipo – pense na poltrona Memory, de Tokujin Yoshioka (acima), na cadeira Witch (abaixo), de Toord Boontje ou no sofá Matrizia (mais abaixo), do próprio Arad, apenas para citar alguns. Agora, a ideia – simples e genial – é que esses produtos sejam direcionados ao mercado de design colecionável e os valores (que costumam ser muito mais altos do que os do design industrial, ainda que assinado por grandes nomes) sejam usados para manter a continuidade de novas pesquisas.

Assim, a More-So será um espaço intermediário entre a prototipagem e a produção industrial, que inclui o desenvolvimento de móveis e objetos únicos ou de edição limitada. O nome, aliás, não apenas faz um trocadilho com a pronúncia da palavra Moroso em inglês, mas também indica que o surgimento dessa divisão abre muitas outras possibilidades dentro da empresa familiar.

“Com a More-So oportunidades fantásticas se abrem, porque agora será possível explorar temas e objetos que não necessariamente serão produzidos em massa”, afirma Patrizia Moroso. “E também pode ser o lar de projetos passados que não foram totalmente desenvolvidos e não encontraram lugar no mercado, por motivos que nada tinham a ver com o seu valor ou significado: sonhos, visões, ideias em que acreditamos, investimos e pelos quais que ainda estejamos apaixonados”, completa.

“Sabemos que pode haver um conflito entre as economias da produção em massa e aquelas de projetos inovadores, experimentais e orientados para a arte. Por isso, More-So será uma plataforma que libertará novas ideias e novos empreendimentos das considerações habituais”, comemora Arad. Não vejo a hora de conhecer os primeiros frutos dessa empreitada – algo me diz que vai ser sucesso!

Fotos: Alessandro Paderni (Damir Eskerica), Gionata Xerra Studio (Patrizia Moroso), MichaelCastellana (Ron Arad) e divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.