Bom design é tema de exposição no MoMA de Nova York

Vista da exposição The Value of Good Design no MoMA. (Foto: John Wronn / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)

O que é o bom design e como ele pode melhorar nossa vida cotidiana? Essa pergunta tem sido uma constante dentro do Museum of Modern Art (MoMA), de Nova York, desde seu princípio. Prova disso são as duas séries de exposições intituladas Useful Objects (1938–48) e Good Design (1950–55), que já levantavam essa discussão e apontavam para a importância do potencial democratizador do design. “Existe arte em uma vassoura? Sim, diz o Museum of Modern Art de Manhattan, se ela for projetada tanto para a utilidade quanto para a boa aparência”, dizia um trecho de uma matéria da revista Time sobre uma mostra de 1953 no museu.

Vista da exposição The Value of Good Design no MoMA. (Foto: John Wronn / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)

Pois agora o MoMA traz uma mostra imperdível: em cartaz até 15 de junho, The Value of Good Design, com curadoria de Juliet Kinchin e Andrew Gardner, celebra algumas das mais icônicas peças do universo do design ao lado de outros itens menos conhecidos, mas que merecem destaque pela exploração inovadora de materiais e técnicas. Vale lembrar que as pesquisas tecnológicas desenvolvidas para a Segunda Guerra e a reflexão sobre os novos modos de viver no pós-guerra também contribuíram para que o design pudesse se desenvolver de forma inovadora.

Vista da exposição The Value of Good Design no MoMA. (Foto: John Wronn / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)

“O conceito de bom design foi um fenômeno mundial, com governos de ambos os lados da Guerra Fria abraçando-o como uma ferramenta vital de reconstrução econômica, avanço tecnológico e persuasão política. O escopo global do bom design é refletido nos itens em exibição, de um automóvel italiano da Fiat Cinquecento a uma cadeira brasileira tipo bowl” (no caso a Bardi’s Bowl, de Lina Bo Bardi), dizem os curadores no texto introdutório.

Aqui algumas peças selecionadas da exposição:

Anywhere Lamp (1951), em alumínio e aço esmaltado, design Greta Von Nessen (Foto: © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Poltrona em bambu (1940/1946), design Charlotte Perriand (Foto: Jonathan Muzikar / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Copos empilháveis (1951), em vidro soprado. (Foto: © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Telefone Ericofon (1949–54), carcaça em plástico ABS, borracha e náilon. Design Hugo Blomberg, Ralph Lysell e Hans Gösta Thames para a L.M. Ericsson Telephone Company. (Foto: © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Poltrona Bowl (1951), em aço e tecido, design Lina Bo Bardi. (Foto: Jonathan Muzikar / © 2019 The Museum of Modern Art)
500f city car (1957/ (1968), design Dante Giacosa para a Fiat S.p.A. (Foto: Jonathan Muzikar / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Relógio de cozinha (1956-57), em cerâmica, metal e vidro, design Max Bill. (Foto: Thomas Griesel / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Mezzanine (1958), tecido de crepe de algodão com impressão, design Lucienne Day. (Foto: Jonathan Muzikar / © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Banquinhos Butterfly (1956), de madeira laminada moldada e metal, design Sori Yanagi. (Foto: © 2019 The Museum of Modern Art, New York)
Protótipo da chaise-longue La Chaise (1948), em espuma de borracha dura, plástico, madeira e metal, design Charles e Ray Eames. (Foto: Jonathan Muzikar / © 2019 The Museum of Modern Art, New York.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.