Vancouver 2010: medalhas caprichadas (e recicladas!)

As Olimpíadas de Inverno de Vancouver já estão quase no fim e essa é a hora das medalhas começarem a aparecer. Me chamou atenção, de início, o fato das medalhas incluírem metais reaproveitados a partir de eletrônicos descartados, como TVs, computadores e teclados. Achei a ideia muito bacana, e resolvi visitar o site das Olimpíadas para ter mais detalhes.
Foi então que percebi que, ao contrário do que eu tinha entendido no início, a parte reciclada é bem pequena (o que não torna a iniciativa de reaproveitamento menos bacana): ouro – 1,52%; prata – 0,122%; cobre: 1,11%. Fico imaginando qual a quantidade de computadores e afins que foram necessárias para se extrair a quantidade necessária de metais para as medalhas…

Mas além da questão do reciclo, que parece ter sido o que mais repercutiu na mídia, a concepção das medalhas é muito bacana. Desenvolvidas em conjunto pelo designer Omer Arbel e pela artista de origem aborígene Corinne Hunt, suas formas onduladas evocam as montanhas, o oceano e a neve. As faces frontais exibem desenhos extraídos de obras de arte inspiradas na orca (olímpicas) e no corvo (paraolímpicas). Como cada medalha contém uma parte diferente do desenho original, nenhuma delas é igual à outra.

O designer Omer Arbel sintetizou bem o espírito das medalhas: “Para mim, foi realmente importante que, de alguma forma, cada uma fosse completamente única, mas ainda assim conectada com as demais (…). É uma ideia bonita, porque significa, em um nível conceitual, que é preciso de todas elas para completar as obras de arte”.
Mais detalhes sobre os materiais das medalhas aqui.

(Vi no MotherBoard e em Vancouver 2010)

4 comentários “Vancouver 2010: medalhas caprichadas (e recicladas!)

  1. Winnie, parabéns pela iniciativa! Já estou inscrito como um Seguidor teu (rs … o oráculo que segue … rsrs). É isso aí: acima e avante.
    Com um abraço,
    Diego

  2. Adorei as medalhas!!
    Até já tinha procurado no google mais informações sobre ela, antes de ler aqui, porque achei o ondulado muito bonito.
    Não sabia da reciclagem, mas quando soube gostei ainda mais! Espero que reciclem essa idéia também e consigam aproveitar mais materiais.

    Parabéns pelo blog!

  3. Obrigada, Cris!
    A parcela de material reciclado nas medalhas ainda é pequena, mas vamos acompanhar para ver o que acontece. A tendência é que essa quantidade aumente à medida que se desenvolvam novas tecnologias para o resgate das matérias-primas – e também por simples necessidade. E ainda falta divulgarem certos detalhes, como por exemplo quanta energia se consome para conseguir reciclar essa quantidade de metais que foi utilizada nas medalhas. Mas, de qualquer forma, é um passo à frente, na minha opinião. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.